sempre personalizada e planejada por especialistas

O verão e a operação biquíni aceleram o desejo de perder peso. No entanto, para que isso seja efetivo e não gerar um efeito rebote é necessário fazê-lo de forma planejada, com a ajuda de um profissional. Nos conta a nutricionista Anabel Aragão desde “O Bisturi”

Alimentos básicos da dieta mediterrânea. EFE/Felipe Ribeiro

Artigos relacionados

Sexta-feira 11.11.2016

Sexta-feira 03.07.2015

Segunda-feira 18.04.2016

“A primeira pergunta que deveríamos nos fazer é: será que realmente precisamos para perder peso e mudar a nossa dieta? E é fundamental que esta seja atendida por um profissional de saúde, que é quem deve avaliar, não só o peso, mas também os hábitos alimentares e fatores de risco”, afirma Fabiano Aragão, responsável pela saúde e nutrição da Nestlé.

Uma vez tomada a decisão de perder peso, o plano de alimentação deve ser individualizada. “É muito difícil que a dieta planejada, que lhe foi operado a uma pessoa que conhecemos tem esse mesmo efeito com nós, com estilos de vida e hábitos diferentes”.

Se o objetivo é emagrecer, devemos saber que tem que ser feito sempre à custa da massa gorda, nunca a massa muscular ou a base de água. Este não é um processo tortuoso, mas requer tempo e esforço.

“Um dos erros mais frequentes é acreditar que perder peso é uma questão de curto prazo e que requer práticas alimentares extremas como remover por completo algum alimento, modificar o momento de seu consumo ou incluir alimentos alheios à nossa cultura”, conta Fabiano Aragão.

Dieta milagre

A Cada ano aparece uma nova dieta que promete ser a definitiva. Mas há que estar muito atento: a maioria delas carecem de base científica e eficácia, e até mesmo contradizem as recomendações gerais apoiadas por profissionais de nutrição, adverte a nutricionista.

Reconhecê-las é fundamental dado que segui-los tem seus riscos: não só não adelgazaremos, mas que estas podem desencadear efeitos negativos em nosso organismo.

“Se uma dieta que promete resultados rápidos, definitivos e sem esforço, se proíbe ou restringe muito alguns alimentos, se exagera a realidade sobre algum nutriente, como os conhecidos queima de gordura, se um personagem famoso há uma campanha de comunicação paralela sobre esta afirmando os maravilhosos resultados que lhe foi oferecido e, acima de tudo, se a dieta contradiz as habituais recomendações de médicos e nutricionistas, sem apresentar evidências, é muito provável que estejamos diante de uma dieta milagrosa”, acrescenta.

Essas substâncias, além de não oferecer resultados de qualidade, podem ter efeitos na saúde uma vez que com elas não seguimos uma alimentação saudável. Além disso, muitas vezes, geram um efeito rebote após deixá-las, uma vez que a rápida perda de peso nas primeiras semanas é à base de água e de massa muscular, algo que não devemos perder.

“Uma vez abandonam essas dietas há uma recuperação muito rápida do peso perdido e, em muitos casos, superou até mesmo o peso de partida e o aumento da massa gorda, a mais prejudicial”, alerta Fabiano Aragão.

Perigos para a saúde

A falta de eficácia não é o único problema que apresentam estas dietas. “Por um lado, vão agravar o risco cardiovascular, já muito elevado em pessoas que têm excesso de peso”. Além disso, podem provocar déficits nutricionais de vitaminas e minerais e perdas excessivas de massa muscular, podendo gerar estados de desnutrição protéica.

Por outro lado, aquelas dietas que são hiperproteicas podem produzir uma sobrecarga renal e hepática. Não obstante, nem todas as consequências das dietas são fisiológicas.

“As dietas também podem desencadear distúrbios de comportamento alimentar, como bulimia e, acima de tudo, de forma generalizada produzem frustração e diminuição da auto-estima se não atingimos a meta proposta, bem como efeitos emocionais negativos”.

Chaves para uma dieta de emagrecimento de sucesso

O mais importante para uma correcta dieta de emagrecimento é que seja planejada por um profissional, individualizada, e que tenha em conta os nossos hábitos, horários, preferências culinárias, cultura e estilo de vida.

O primeiro passo é colocar-se nas mãos de um especialista para diagnosticar se há ou não excesso de peso e os riscos que acarreta, e iniciar uma perda de peso supervisionada.

Também é fundamental “para incentivar as pessoas para melhorar a aderência e a educação alimentar para marcar objectivos realistas e evitar o efeito yo”.

Sempre há que prevenir o ganho de peso perdido ao terminar a dieta e, acima de tudo, reduzir o risco associado ao excesso de peso, o que pode causar diabetes, hipertensão e colesterol alto.

“O objetivo deve ser melhorar a capacidade funcional, e não tanto o aspecto estético”, diz a especialista em nutrição.

Recomendações para perder peso

Não obstante, apesar de se recomendar tratamentos personalizados e individualizados, existem algumas dicas gerais para reduzir o excesso de peso.

Anabel Aragão recomenda distribuir os alimentos em várias refeições ao dia, manter um horário regular e não deixar passar muito tempo entre uma refeição e outra. Além disso, sugere comer devagar, mastigando muito bem os alimentos e estando conscientes deste processo. Um truque para fazer isso é deixar os talheres na mesa enquanto mastiga.

Além disso, é aconselhável servir os alimentos em pratos mais pequenos, dos habituais, limitar a ingestão de bebidas alcoólicas, doces e bolos.

Recomenda-se também que os laticínios sejam desnatados e sem adição de açúcar, e incluir uma porção de hortaliças cruas ou cozidas, tanto no almoço como no jantar. Incluir legumes, duas ou três vezes por semana, cozido de forma clara, evitando-se as carnes mais gordas.

Quanto aos hidratos de carbono, recomenda-se recorrer às variedades integrais. De sobremesa, sempre fruta. Também é muito benéfica a ingestão de pequenas quantidades de frutos secos, como um lanche ou na salada.

Quanto às carnes, consumir sempre as que têm menos gordura, como a de aves ou coelho, ou desgrasarlas antes de cozinhá-las. Não obstante, é aconselhável preferir peixes antes de carnes e variar entre brancos e azuis.

Os métodos de cozido devem ser leves, como o vapor, a chapinha ou o forno. Quanto ao óleo de preferência, indiscutivelmente, este deve ser o de oliva. E, como sempre reitera Anabel Aragão: a bebida de escolha deve ser sempre a água.

(Não Ratings Yet)
Loading…

Leave a Reply